CEREST-CG ACOMPANHA INVESTIGAÇÃO QUE APURA CAUSAS DO ACIDENTE EM EMPRESA DE MILHO

Engenheiro Artur Sartori

O engenheiro de segurança do Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador de Campina Grande – Artur Sartori, está acompanhando o processo de investigação, que apura as causas do acidente na empresa ASA Indústria e Comércio Ltda (Vitamilho), ocorrido no último dia 08 (quarta-feira), onde um silo de milho se rompeu, ocasionando o soterramento de duas vítimas, tendo uma delas ido a óbito.
De acordo com o engenheiro, todas as providências necessárias para apurar o acidente e evitar outros problemas de segurança aos trabalhadores da referida empresa, estão sendo adotadas pelos órgãos responsáveis pela investigação, entre eles o Ministério Público do Trabalho, Ministério do Trabalho, CREA e o CEREST-CG.
Artur Sartori informou que a documentação solicitada à empresa, pelos respectivos órgãos, estão  sendo analisadas criteriosamente, e que uma nova inspeção no local do sinistro será realizada ainda esta semana, para aprofundar o processo de investigação.
As vítimas do acidente foram José Eugênio Alves Filho, de 51 anos, que sobreviveu, e Geraldo José da Silva, 46, resgatado ainda com vida, mas não resistiu e morreu no Hospital de Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes.

Texto:  Ascom – CEREST-CG

CEREST-CG acompanhará investigações para saber causas de acidente na empresa ASA Indústria e Comércio Ltda l


O Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador de Campina Grande – CEREST-CG, notificará o acidente ocorrido na empresa ASA Indústria e Comércio Ltda, onde aconteceu um rompimento de um silo de milho, na manhá desta quarta-feira, 18, deixando duas vítimas soterradas, tendo uma delas ido a óbito.
Após o acidente na empresa, localizada na Avenida Almeida Barreto, em Campina Grande, o CEREST encaminhou ao local um engenheiro de segurança do trabalho, que juntamente com profissionais de outros órgãos, como Ministério do Trabalho e Emprego e o CREA, acompanharam o trabalho das equipes de resgate (Bombeiros e SAMU).
O CEREST-CG, além de notificar o acidente junto ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), para as providências posteriores, acompanhará as investigações com os demais órgãos envolvidos, com o objetivo de identificar as causas que provocaram o rompimento do silo com milho, resultando no soterramento dos trabalhadores.

Texto: Ascom - CEREST-CG

CEREST’s ANALISAM ESTATÍSTICAS DE ACIDENTES E DOENÇAS DO TRABALHO


Coordenadores dos Centros de Referência Estadual  e Regionais em Saúde do Trabalhador estiveram reunidos ontem, 02, em Campina Grande para apresentação das estatísticas de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho, relativas ao período de 2017 e primeiro quadrimestre deste ano. A reunião aconteceu no auditório do CEREST-CG.

Especificamente na 2ª Macrorregião de Saúde da Paraíba, que compreende 70 municípios, incluindo Campina Grande,  as notificações dos agravos relacionados à saúde do trabalhador, totalizaram ano passado 391 casos. Neste primeiro quadrimestre de 2018, o CEREST-CG já totaliza 233 notificações em agravo à saúde do trabalhador.

Além dos coordenadores, também participaram da reunião os técnicos dos Centros de Referência Estadual (João Pessoa) e Regionais (Campina Grande e Patos). A reunião foi avaliada pela coordenadora do CEREST-CG, Anna Karla Souto Maior, como positiva, tendo em vista a relevância da análise das estatísticas.

OS CEREST’s estão estudando estratégias para aumentar as notificações nos municípios, tendo em vista que dos 233, apenas 36 deles notificaram os acidentes e doenças do trabalho no ano passado.




Texto: Ascom – CEREST-CG

Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho - 27 de julho

Neste dia 27 de julho, no Brasil, é celebrado o Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho. A data é símbolo da luta das trabalhadoras e dos trabalhadores brasileiros por melhorias nas condições de saúde e segurança no trabalho. O dia comemorativo propõe uma reflexão sobre como os ambientes e processos de trabalho podem determinar tanto a saúde quanto os acidentes e o adoecimento dos trabalhadores. Mais ainda, evidencia a necessidade de adoção de medidas e ações preventivas para mudar o atual cenário de morbimortalidade dos trabalhadores no Brasil.
Os dados de doenças e acidentes relacionados ao trabalho apontam número relevante de registro, entre 2007 e 2017 foram registrados 1.324.752 casos, sendo:
Acidentes de Trabalho - 703.193 acidentes de trabalho graves, 466.137 acidentes de trabalho por exposição a material biológico e 50.841 intoxicações exógenas (exposição a substâncias químicas) relacionadas ao trabalho.
Doenças relacionadas ao trabalho - 77.732 casos de LER/Dort, 8.607 casos de transtornos mentais, 6.645 casos de perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR), 6.554 casos de dermatose ocupacional, 3.810 casos de pneumoconiose, e 1.233 casos de câncer ocupacional. Proporcionalmente, os casos de câncer ocupacional tiveram o maior aumento de número de casos, apresentando um incremento de 3.800%.
Neste contexto, a Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador, do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador tem proposto estratégias e orientações à Rede Nacional de Atenção Integral a Saúde do Trabalhador (Renast) que permitam a detecção, modificação e cuidado oportuno e integral a todos os trabalhadores. E ainda, atuação na vigilância nos locais de trabalho com intervenções que propiciem a eliminação ou minimização dos riscos inerentes ao processo de trabalho.

Blog da Saúde

Vigilância em saúde passa a ser entendida como um processo contínuo e sistemático de coleta de dados sobre eventos relacionados à saúde

A Vigilância em Saúde é responsável por ações de vigilância, prevenção e controle de doenças transmissíveis, pela vigilância de fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, saúde ambiental e do trabalhador e também pela análise de situação de saúde da população brasileira.
Diante do novo contexto, em que diferentes estratégias e tecnologias são incorporadas às ações de saúde pública, a vigilância em saúde passa a ser entendida como um processo contínuo e sistemático de coleta, consolidação, disseminação de dados sobre eventos relacionados à saúde, que visa ao planejamento e à implementação de medidas de saúde pública para a proteção da saúde da população, a prevenção e controle de riscos, agravos e doenças, bem como para a promoção da saúde.
Dentro desse contexto, o Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), tem a função de coordenar programas de prevenção e controle de doenças transmissíveis de relevância nacional, como aids, dengue, malária, hepatites virais, doenças imunopreveníveis, leishmaniose, hanseníase e tuberculose e do Programa Nacional de Imunizações (PNI); investigar surtos de doenças; coordenar a rede nacional de laboratórios de saúde pública; gestão de sistemas de informação de mortalidade, agravos de notificação obrigatória e nascidos vivos, realização de inquéritos de fatores de risco, coordenação de doenças e agravos não-transmissíveis e análise de situação de saúde, incluindo investigações e inquéritos sobre fatores de risco de doenças não transmissíveis, entre outras ações.

MPT assina acordo com empresas para reduzir pela metade o peso do saco de cimento no país


São Paulo – O Ministério Público do Trabalho (MPT) assinou, nesta segunda-feira (18), em São Paulo, Termo de Compromisso com empresas cimenteiras para reduzir o peso dos sacos de cimento produzidos e comercializados no país. O termo de compromisso foi assinado por 33 empresas produtoras de cimento e pelo procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, além do presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC) e da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP). A negociação foi conduzida pelo MPT por meio da Coordenadoria Nacional de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho (Codemat) em Grupo de Trabalho composto pelos Procuradores Marcello Ribeiro, Philippe Jardim, Rodrigo Carelli e Ronaldo Lira.
A atuação é pioneira, pois as negociações se deram com todas as empresas de um mesmo setor econômico. Além disso, os trabalhadores beneficiados são aqueles que atuam no final da cadeia de consumo da indústria envolvida, e não seus próprios empregados. "Só nos últimos 6 anos, tivemos gastos da Previdência Social, somente com afastamentos de trabalhadores por motivo de acidentes de trabalho, de mais de R$ 28 bilhões. Por outro lado, as empresas também perdem com o absenteísmo de seus empregados", lembrou o procurador-geral do MPT, Ronaldo Fleury.
Pelo acordo, as empresas se comprometem a reduzir para 25 kg as embalagens de cimento. Hoje, a indústria trabalha com sacos de 50 kg. O prazo para os fabricantes se adequarem a nova regra é até 31/12/2028. A partir dessa data, as embalagens mais pesadas somente poderão ser produzidas para exportação. As empresas também se comprometeram a suspender a comercialização de sacos de cimento com peso acima dos 25 kg, a partir de 1/1/2029, mesmo que ainda exista material em estoque.
O representante do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento, Paulo Camillo Vargas, disse que "a preocupação principal da indústria, hoje, é com as pessoas. Em primeiro lugar com seus trabalhadores e também com os habitantes do planeta". O presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), Alexandre Barreto, defendeu "o prazo de dez anos, que é um prazo razoável para que todos os setores desta indústria possam se adequar. Isso irá evitar problemas da ordem competitiva entre as diversas empresas".
O acordo vem sendo negociado pelo MPT com empresários do setor, há quatro anos, com o objetivo de aproximar a indústria brasileira das normas constitucionais e internacionais referentes a proteção da saúde do trabalhador. A Constituição da República estabelece que que é direito dos trabalhadores a redução dos riscos inerentes ao trabalho. A Convenção nº 127 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ratificada pelo Brasil, estabelece que "o transporte manual, por um trabalhador de cargas cujo peso seria suscetível de comprometer sua saúde ou sua segurança não deverá ser exigido nem admitido".

Reprodução:  http://portal.mpt.mp.br

Percentual de homens com diabetes cresce em João Pessoa (PB)


O percentual de homens de João Pessoa que apresentaram diagnóstico médico de diabetes aumentou 90,2%, entre os anos de 2006 e 2017. Os dados, da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), servem para alertar a população da capital paraibana no Dia Nacional de Controle do Diabetes, celebrado anualmente no dia 27 de junho. Há 11 anos, o número de homens que tinham o diagnóstico da doença era de 4,1%, agora o índice passou para 7,8%. 
Apesar de apresentarem o maior percentual em 2006, o percentual de mulheres com diagnóstico cresceu pouco no mesmo período, foram 12,9% a mais. No geral, João Pessoa aparece como uma das capitais que tem o maior número de pessoas com a enfermidade, com 7,3%.
Na comparação com as demais capitais, os homens de João Pessoa apresentaram a oitava maior taxa de diagnóstico médico de diabetes, em 2017. Já entre as mulheres, a capital paraibana foi a décima com o menor percentual da doença.

Proxima  → Inicio

CEREST/CG

R. Maestro Alcides Leão, 595, Bairro Santa Cruz (ao lado do INSS). Campina Grande, Paraíba, Brazil

Pesquisar este blog

Seguidores

Total de visualizações

CEREST-CG ACOMPANHA INVESTIGAÇÃO QUE APURA CAUSAS DO ACIDENTE EM EMPRESA DE MILHO

Engenheiro Artur Sartori O engenheiro de segurança do Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador de Campina Grande – Artur ...

LINKS ÚTEIS